A Sagração da Primavera - Quadros de uma dívida não paga

2016-

O espetáculo, que transita entre o cinema e a dança, busca inspiração na famosa obra de Igor Stravinsky para encontrar uma forma de desaparecimento possível, no qual o corpo devedor se transmuta em outro corpo, livre de ser cobrado. O público acompanha a trajetória errante desse grupo e desses corpos, que recusam ser eficientes e se sacrificam em nome da potência de uma vida não endividada. De uma vida que desaparecerá diante de nossos olhos. Não agora, mas logo. Vocês saberão quando.

Espetáculo concebido com o apoio da Lei de Fomento ao Teatro do Município de São Paulo.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Mantenha fora do alcance de crianças

2011-2013

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

A família se reúne em uma casa de praia. O lugar é tomado pelo calor. A constante falta de copos nesta reunião familiar traz à tona um passado esquecido. Duas irmãs brigam em um conflito permanente. No meio de suas histerias, os outros habitantes comemoram a chegada de um novo verão.

Espetáculo concebido com o apoio da Lei de Fomento ao Teatro do Município de São Paulo. Foi contemplado pelo Prêmio Procultura para sua circulação nacional e participou de importantes festivais pelo país, entre eles:

- Festival Internacional de Teatro de Londrina (FILO) em 2012

- Festival Internacional de Teatro da Bahia (FILTE) Em 2012

Projeto 85

Episódio 2: O rosto do homem endividado

2015

HAY QUE EVACUAR! Hay que evacuar! A terra treme e, diante deste tremor, animais terríveis estão rondando nossas esquinas. Temos que sair agora! Lamento a morte do querido pai de vocês, mas é preciso que saiam dessa casa o mais rápido possível. De nada mais adiantará discutir quem deverá ficar com as chaves ou com a tartaruga ou com as porcelanas ou com o quarto dos fundos. E nem precisam se preocupar com as dívidas, pois o fogo irá destruir todas as apólices! A temperatura está aumentando rapidamente e nossas ideias estão convulsionando. Hay que evacuar! HAY QUE EVACUAR!

 

Episódio construído a partir da parceria entre o grupo brasileiro [pH2] : estado de teatro e o grupo colombiano La Maldita Vanidad, com o apoio do Rumos Itaú Cultural.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

MANTER EM LOCAL SECO E AREJADO

2009-2012

Três ambientes se desdobram em cena compartilhando o mesmo estado: um mundo alagado. Adaptadas à água constante e convivendo nos espaços cotidianos modificados, as figuras em cena aparecem exercendo as funções e modos de sobrevivência nesse mundo. Entre a apatia gerada pelo alagamento e o alarme provocado por helicópteros que sobrevoam esse lugar, essas figuras constroem um quadro que, embora distante do mundo real, ainda pode nos afetar e dizer respeito.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

O espetáculo foi construído com o apoio da Lei de Fomento ao Teatro do Município de São Paulo. Participou de importantes festivais pelo país, entre eles: 

- Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto (FIT) em 2011

- 22º Festival Internacional de Teatro de Blumenau em 2008

4ª Mostra de Referências Teatrais de Suzano em 2008

- 23º Festivale - Novas Tendências em 2009

Um carvalho, de Tim Crouch

2013

Um show de hipnose. O Hipnotizador recebe André. André perdeu sua filha mais velha atropelada há exatamente um ano atrás. A filha de André foi atropelada pelo Hipnotizador. André está ali porque deseja exorcizar essa lembrança. O ator que faz o Hipnotizador tem domínio da cena, enquanto o ator que interpreta O Pai nunca leu e nem viu o espetáculo.

press to zoom
press to zoom
press to zoom

FAMÍLIAVENDETUDO

2011

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Os últimos instantes na propriedade de Liubov Andreievna são celebrados. É maio: temporada de dança e números musicais. Devem todos comemorar. O compasso do tempo sugere uma nova ordem enquanto a comemoração camufla a espera. Não existe mais lugar para a prostração dos corpos. O jardim das cerejeiras está vendido.

Experimento cênico construído ao convite do Teatro da Vertigem na Mostra Novíssimos Diretores.