Stereo Franz, 2013-

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

O público é recebido do lado de fora de um bar de uma cidade pequena qualquer. Do lado de dentro, uma banda toca a noite inteira. Por fora e por dentro os moradores exercem suas funções. Mais e mais. Sempre mais. Por todos os lados a música é constante e as imagens são projetadas criando mais e mais camadas de leitura. De um lado, Franz é assediado pelo Médico. Do outro, Franz é observado pelo Capitão. Dentro de Franz há espaço para poucos: um amigo e um amor. Um não o escuta, a outra não o vê. Seu amigo escuta apenas o que chega a seus ouvidos em forma de música. Seu amor exerga apenas o que a vidente Yvette pronuncia em portunhol: Tiene Ojos, Marie! Marie nunca para. Ela quer mais e mais. Sempre mais. Marie quer falar outras línguas. Franz não agüenta sua própria língua. A língua estrangeira será capaz de produzir desordem e fazer cortar tudo aquilo que nunca fez sentido: cortar as explicações dos homens para tudo aquilo que não faz sentido em língua nenhuma.

O espetáculo estreou em junho de 2013 no Büchner International Festival, na cidade de Giessen, Alemanha. Em 2014, participou do Mirada - Sesc Santos e cumpriu temporada no Sesc Santo Amaro em janeiro de 2015. Foi contemplado pelo Prêmio Myriam Muniz em 2015 e realiza circulacão nacional em 2016.

Projeto 85

Episódio 3: O rosto do país endividado, 2015

Após a grande catástrofe, uma nave-território se aproxima do país arrasado e institui um regime de reconstrução em parceria. A Reconstrução é acolhida com euforia e entusiasmo ao mesmo tempo em que trabalha pelo aumento vertiginoso da dívida pública do país e deixa um lastro de morte e um estado subjetivo permanentemente endividado. 5 performers mobilizam textos, imagens e vídeos históricos para apresentar uma breve análise dos processos de progresso neoliberal em seus países.

 

Episódio construído a partir da parceria entre o grupo brasileiro [pH2]: estado de teatro e o grupo mexicano Lagartijas Tiradas al Sol.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Átridas, 2011-2012

Uma rede está se trançando. Enquanto Clitemnestra aguarda o retorno de Orestes, Agamêmnon realiza os últimos preparativos para o casamento de Ifigênia. Imersos em um ciclo de assassinatos e vinganças, as personagens celebram, evocam, praguejam o passado, sem perceber o destino que as aguarda. Quando finalmente chega o esperado filho, uma nova ordem se instaura.

O grupo desenvolveu uma dramaturgia original em 2010, escrita a partir da investigação do mito grego Orestéia. A trilogia homônima de Ésquilo foi a fonte para finalizar a pesquisa do grupo sobre as manifestações do trágico na contemporaneidade. Estreou no SESC Pinheiros em 2012 e cumpriu temporada no Cit-Ecum em 2013.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom